quarta-feira, outubro 03, 2007

Timbuktu...

"[...] ... ficava no meio de um deserto algures não sabia onde (...) Willy descrevera-o como um oásis de espíritos. Noutra altura, dissera: «O mapa de Timbuktu começa onde acaba o mapa deste mundo». Pelos vistos, para um tipo lá chegar tinha de atravessar uma imensa região de areia e calor, um reino onde o nada reinava eternamente. Mrs. Jones achava que era uma jornada extremamente difícil e desagradável, mas Willy garantia-lhe que não, que a viagem não durava mais do que um abrir e fachar de olhos. E mal um tipo lá chegava, dizia ele, mal um tipo passava a fronteira desse refúgio, nunca mais tinha de se preocupar com coisas comezinhas do género comer, dormir à noite ou esvaziar a bexiga. Um tipo passava a estar completamente sintonizado com o universo, passava a ser um grãozinho de antimatéria alojado no cérebro de Deus. [...]"

Timbuktu, de Paul Auster - Um livro que vale a pena!!

6 Comentários:

Blogger jTr disse...

Sem dúvida...

Achei o livro uma verdadeira delícia, se não o melhor, um dos melhores de Paul Auster.

Muito bem conseguido, numa narrativa absolutamente cativante e deliciosa...

outubro 04, 2007 12:29 da manhã  
Anonymous TB disse...

Que é feito de ti?

outubro 05, 2007 12:04 da tarde  
Blogger MBSilva disse...

Paul Auster tem vindo a ganhar um lugar especial nas minhas preferências de leitura. O seu lugar na estante começa a aumentar.
Cada vez mais gosto de "o" ler, da sua escrita. Se bem que ler a versão original é... simplesmente... viciante! Inigualável!
Este... este é diferente. Como (bem) diz, muito bem conseguido!
Resta-me, pois, agradecer o esquecimento dele por estas "bandas".
Obrigada!

outubro 05, 2007 1:25 da tarde  
Blogger MBSilva disse...

Amiga,
Continuo no mesmo sítio! ;)
O tempo é que tem sido escasso para nos encontrarmos. Mas isso vai mudar!
Prometo! Beijinhos!!!

outubro 05, 2007 1:26 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Admito que sim!
Não é, porém, um Autor que leia ...
Mas ... não vás por aí. Esse ... não é o teu caminho!

Petitefleur

outubro 06, 2007 6:48 da tarde  
Blogger MBSilva disse...

Cara "Petitefleur",
antes de mais - e como faço sempre com as pessoas que sobem a este Tecto pela primeira vez - seja benvinda!

Confesso não ter entendido o seu comentário (certamente por dificuldade minha!)... Se não leu Paul Auster como ou porque faz essa sugestão tão peremptória?
Uma coisa é certa, conseguiu fazer-me lembrar o famoso poema de José Régio: "Não sei por onde vou, não sei para onde vou, Sei que não vou por aí!" ;)

Façamos o seguinte, leia o "Oracle Night" na versão original (claro que se não gostar de ler em Inglês, há uma edição de bolso na Fnac) e depois diz-me o que achou. Só assim, depois de ler Auster, poderá com "propriedade" fazer uma afirmação como a que deixou aqui.

Combinado?
E... volte sempre. ;)

outubro 06, 2007 7:48 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial